Depois de ter imposto “serviços mínimos” maiores que os “serviços máximos”, a DGAV deixa cair a máscara, em e-mail a que o STFPSN teve acesso, admitindo que os abates regulares não estão garantidos!